Nos rins existem estruturas responsáveis pela regulação do volume e composição sanguínea, bem como a formação da urina e eliminação de produtos do metabolismo. Nessas estruturas, o sangue é ultrafiltrado dando início à formação da urina, envolvendo diversos processos de reabsorção e secreção de metabólitos, incluindo sódio e ânions.
Tendo em vista essa informação, o público que busca a estética corporal (principalmente atletas) almeja a menor retenção hídrica possível e músculos mais aparentes e definidos. Buscam, portanto, fazer o uso de substâncias que estimulam a atividade renal, excretando mais sódio e consequentemente mais líquido do fluido extracelular, atingindo um físico que exibe mais detalhes musculares devido à menor presença de retenção hídrica entre a pele e o tecido muscular.
Sendo assim, os diuréticos são uma opção viável para alcançar esse objetivo estético, uma vez que atuam estimulando diretamente a função renal. É comum, porém, associar os diuréticos à outras estratégias para atingir a redução dos líquidos ou peso corporal como: laxantes, sauna ou o próprio exercício físico.
Os diuréticos podem ter diferentes mecanismos de ação, agindo como inibidores de enzimas que atuam retendo sódio (como a anidrase carbônica e aldosterona) ou inibidoras do próprio transporte e absorção dos eletrólitos, principalmente Sódio, Cloro e Potássio. Os recursos farmacológicos com efeitos diuréticos mais comumente utilizados são a furosemida e a hidroclorotiazida. Porém, também encontramos substâncias que estimulam a diurese em produtos naturais; no Brasil, por exemplo, a lista de ervas nativas com potencial diurético incluem: Espinheira, Guamirim, Dormideira, Cipó-do-mato, Achachairu, Açoita-cavalo, Pixirica, Perpétua, Marmelinho, Cavalinha, Douradinha-do-campo, Chaguinha, Dormideira, entre outras.
De fato, os benefícios dos diuréticos podem ser aproveitados por atletas e pessoas que buscam uma menor retenção hídrica corporal e aspecto físico mais estético e atraente, com músculos definidos e veias aparentes. Porém, precisa-se alertar para o risco do consumo excessivo e recorrente dessas substâncias, uma vez que os fluidos corporais, sobretudo a água, desempenham papéis fundamentais para diversos processos metabólicos no corpo humano, sejam eles hidratação, manutenção do volume e pressão sanguínea, regulação térmica e processos enzimáticos. Portanto, uma diurese excessiva e suprafisiológica pode trazer danos à saúde, desde insuficiência renal à desidratação, desequilíbrio eletrolítico e hipotensão.

 

Esse texto foi escrito por Alan Matheus (@alanmatheusnutri), baseado em artigos científicos. Todo material pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail: nutricao@certosaude.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos, mencione o nome do autor e do site, por favor.

Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por @certosaude).

Posts Similares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *