O estado nutricional do indivíduo e o seu sistema imunológico estão intrinsecamente ligados, de tal forma que os alimentos, nutrientes e compostos bioativos podem modular a função imunológica.

O sistema imunológico envolve desde as barreiras físicas como pele e mucosas, químicas como secreções salivares, suor, ácido gástrico, até a imunidade inata de caráter rápido porém inespecífico e a imunidade adaptativa que por sua vez exige um tempo maior para eficácia, tornando-a mais específica.  Os monócitos, macrófagos, neutrófilos, células dendríticas e células natural killer (NK) constituem a imunidade inata, enquanto a imunidade adaptativa  compreende as células T e suas variações e as células B. 

A vitamina A ou retinol é convertida endogenamente em seu metabólito ativo, o ácido retinóico e este parece ter diversas funções no sistema imunológico. Os estudos demonstram que a vitamina A pode ser fundamental para integridade da mucosa e o direcionamento dos linfócitos para esta, que compreende a barreira física do sistema imune. Para além disso, o ácido retinóico atua também no recrutamento das células T e na regulação de citocinas pró e anti-inflamatórias liberadas pelas células imunológicas. 

A vitamina C ou ácido ascórbico é uma vitamina hidrossolúvel, a qual o ser humano não tem a capacidade de produzir devido a ausência da enzima  l -gulono-γ-lactona oxidase, responsável pela última etapa na síntese do ácido ascórbico. A vitamina C assim como a vitamina A, auxiliará na integridade da pele, uma vez que esta é cofator para as lisil e prolil hidroxilases necessárias para a estabilização da estrutura terciária do colágeno. O ácido ascórbico é capaz de modular a via NFkB e atenuar a produção de citocinas pró-inflamatórias. Os estudos demonstraram redução principalmente de IL-6. Existe também uma correlação sobre a suplementação vitamina C e resfriados, porém os estudos a respeito dessa perspectiva ainda são controversos, sendo necessários maiores estudos.

A vitamina D, por sua vez, é obtida principalmente através da transformação fotoquímica e térmica do precursor do colesterol 7-dehidrocolesterol na pele exposta a radiação ultravioleta B. Além disso, pode ser obtida também através da dieta mas em pequenas quantidades. No que tange atuação na imunidade o calcitriol, forma ativa da vitamina D, atua potencializando os efeitos antimicrobianos de macrófagos e monócitos, através da ativação da transcrição de peptídeos antimicrobianos. No que tange a imunidade adaptativa, os estudos demonstram que há uma expressão do receptor de vitamina D (VDR), bem como de enzimas ativadoras da vitamina D nas células T e B, principalmente se estas estão ativadas.

Dessa forma, pode-se concluir que a ingestão diária dessas vitaminas A, C e D podem contribuir para função imunológica ideal, acentuando as respostas imunes e reduzindo quadros infecciosos e inflamatórios. 

 

Esse texto foi escrito por Alanna Batista, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@certosaude.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos, mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por @certosaude)

Posts Similares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *